WHEY PROTEIN

Por: As Nutris 30 de Outubro de 2018

Certamente em algum momento na academia você se deparou com alguém chacoalhando a sua “Coqueteleira” e bebendo um suplemento chamado whey protein após o treino.  

Whey protein é uma velha conhecida dos praticantes de atividade física. É considerada uma proteína de alto valor biológico, ou seja, possui um alto teor de aminoácidos essenciais ao nosso corpo.

Sua ingestão favorece o ganho de força muscular; o alto teor de cálcio otimiza a redução da gordura corporal e aumento da densidade óssea mineral e também parece apresentar um importante papel no controle da glicemia quando consumido antes de uma refeição.


Mas será que todo mundo precisa consumir Whey Protein?

A necessidade de suplementação deve ser avaliada pelo nutricionista determinando a individualidade de cada pessoa. Uma dieta equilibrada é capaz de suprir as quantidades necessárias de proteína a fim de garantir a preservação ou o ganho de massa muscular.

Mas eu faço uma refeição pós treino com alimentos proteicos como carnes ou ovos. Preciso tomar whey protein?

No geral, uma refeição proteica é capaz de suprir as necessidades do paciente. É importante lembrar que o excesso de proteínas na dieta não é sinônimo de um aumento da massa muscular. Por exemplo, comer uma quantidade exagerada de fontes proteicas também pode favorecer ao ganho de gordura.

Então quem precisa tomar whey protein?

Foi-se o tempo onde a suplementação de proteína era associada somente a atletas profissionais e amadores. Esse suplemento pode ser indicado para pessoas que não conseguem ingerir a quantidade necessária de proteína diária, isso pode acontecer devido a preferências alimentares ou até mesmo a rotina.


Além desses grupos,  a fácil digestibilidade do whey protein é uma boa alternativa para crianças e adolescentes sem apetite, com hábitos alimentares ruins e para a população sênior que, devido a idade,  pode apresentar problemas de mastigação e inapetência, deixando de consumir os alimentos protéicos convencionais.

Alguns exemplos são a linha NAN de fórmulas infantis e a linha Nutren Senior para idosos.

Como eu faço para escolher um bom whey protein?

Os primeiros itens são os que aparecem em maior quantidade no produto. No caso deste suplemento, o primeiro ingrediente deve ser obrigatoriamente a proteína do soro do leite.

Algumas marcas utilizam carboidratos em grandes quantidade para diminuir o valor do produto ou usam fontes mais baratas de proteína como a albumina e a proteína de soja, dessa forma informe-se com seu nutricionista.

Outro ponto importante é a quantidade de proteínas por dose, algumas marcas indicam no rótulo uma quantidade boa de proteína, porém em uma dose de 2 ou 3 scoops.


É importante também evitar suplementos com corantes artificiais e certos adoçantes.

A sucralose é um composto frequentemente utilizado pela indústria, é uma substância sintética utilizada para adoçar produtos industrializados como a whey protein, possui uma capacidade adoçante aproximadamente 600 vezes maior que a sacarose. O consumo a longo prazo de adoçantes pode causar disbiose, condição em que o indivíduo sofre alterações na proporção de bactérias positivas e negativas no intestino, de modo a  aumentar o risco de intolerância à glicose. Alguns estudos demonstraram que a sucralose quando aquecida com alimentos que tem gordura, produz uma substância nociva chamadas cloropropanol composto que pode aumentar o risco de câncer.


Outra dica é que atualmente a proteste possui um estudo onde eles avaliaram as principais marcas de whey protein e encontraram irregularidades, como a da marca BRN Foods, cujo o teor de carboidratos no produto foi 114% maior em relação ao apontado no rótulo.

Para você avaliar a sua marca preferida de whey, basta acessar AQUI e ver o comparador de marcas.


Para finalizar, as variações e as características dos diferentes tipos de proteína comercializados atualmente.

































































Referências:

SAUDADES, Jéssica de Oliveira; KIRSTEN, Vanessa Ramos; OLIVEIRA, Viviani Ruffo de. CONSUMO DE PROTEÍNA DO SORO DO LEITE ENTRE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DE PORTO ALEGRE, RS. Rev Bras Med Esporte,  São Paulo ,  v. 23, n. 4, p. 289-293,  Aug.  2017 .

https://www.proteste.org.br/ Acesso em 26/10

VAN LOON, MJ, GIBALA, Dietary protein to support muscle hypertrophy. Nestle Nutr Inst Workshop Ser. 2011, V.69, P.79-89; discussion 89-95 WITARD, O C et al. Protein Considerations for Optimising Skeletal Muscle Mass in Healthy Young and Older Adults. Nutrients, 2016, v.8, n.4 181.

SUEZ J, KOREM T, ZEEVI D, ZILBERMAN-SCHAPIRA G, THAISS CA, MAZA O, ISRAELI D, ZMORA N, GILAD S, WEINBERGER A, KUPERMAN Y, HARMELIN A, KOLODKIN-Gal I, SHAPIRO H, HALPERN Z, SEGAL E, ELINAV E. Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota. Nature. 2014;514(7521):181-6.

SCHIFFMAN SS, ROTHERr KI. Sucralose, a synthetic organochlorine sweetener: overview of biological issues. J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 2013;16(7):399-451.

ANJA RAHN, VAROUJAN A. YAYLAYAN. Thermal degradation of sucralose and its potential in generating chloropropanols in the presence of glycerol. Food Chemistry. V. 118, Issue 1, January 2010, Pag 56–61.