Como saber se eu tenho ansiedade?

Por: As Nutris 07 de Fevereiro de 2019

Os indivíduos na fase adulta com frequência deparam-se com diferentes situações potencialmente estressoras como a criação dos filhos, o relacionamento enquanto casal, relações interpessoais, necessidade de manutenção do emprego e a própria aposentadoria. Considerando também eventos de vida estressores como infidelidade, ameaça de separação e agressões físicas. Enfim, são uma série de fatores.


Diferentes situações estressoras ocorrem ao longo dos anos, e as respostas a elas variam entre os indivíduos na sua forma de apresentação, podendo ocorrer manifestações psicopatológicas diversas como sintomas inespecíficos de depressão ou ansiedade, ou transtornos psiquiátricos definidos.    


 O desenvolvimento de um transtorno está diretamente relacionado à freqüência e duração de respostas de ativação provocadas por situações que o sujeito avalia como estressoras para si. Diversos estudos avaliaram a relação entre a ocorrência de eventos de vida estressores e o surgimento de sintomas depressivos.


No entanto, poucos dados são encontrados na literatura em relação a sintomas ansiosos frente a estes eventos.  A  ansiedade é um sentimento vago, de medo, apreensão e tensão por  antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho. Há pessoas ansiosas que relatam perda de apetite, outras relatam ter excesso de apetite, o que pode colaborar para o ganho de peso.


Pessoas ansiosas podem ter dificuldade em emagrecer pois apresentam comportamentos compensatórios, no qual, comem para resolver ou anular seus problemas. É importante identificar esse sinal já que comer deixa de ser um ato prazeroso e torna-se um mecanismo fuga para resolver episódios de ansiedade, depressão e estresse.



https://pt.slideshare.net/GlauciaMaga/tcc-terapia-cognitiva-comportamental


Para melhorar esses quadros alguns alimentos estimulam a produção e liberação de neurotransmissores (substâncias capazes de transmitir impulsos nervosos ao cérebro), como por exemplo a serotonina,o hormônio que promove sensação de bem estar e felicidade. Porém, para ter a síntese  desse neurotransmissor, é necessário triptofano.




O triptofano é um aminoácido que age no cérebro, portanto, contribui no controle da fome x saciedade. Pode ser encontrado em alimentos de origem vegetal e nas proteínas animais. Quando há baixo consumo de triptofano na dieta e ainda, casos de restrição alimentar ou episódios de compulsão alimentar, pode inverter o papel do triptofano, ficando assim, menos disponível no cérebro, resultando em menor síntese de serotonina e consequentemente, causando ansiedade.

Quer saber mais sobre alguns alimentos fontes de triptofano? Clique aqui.



https://pt.slideshare.net/novotempo/depresso-ansiedade


Outra maneira de controlar a ansiedade é através da rotina de exercício. Organize pelo menos 30 minutos do seu dia para ter uma momento de autocuidado. Assim, os momentos de ansiedade ficam mais controlados e você libera outros hormônios que geram bem estar.



foto do livro: o poder do hábito


Se você sentir mudanças de humor ou se estiver de alguma maneira incomodado com pensamentos que não saem da sua cabeça, procure uma psicóloga e nutricionista.

A avaliação com base em um questionário respondido no consultório já ajuda a flagrar a ansiedade e nortear a abordagem terapêutica e dieta adequada.

Acompanhe mais matérias  no instagram @asnutris


Beijos e até o próximo post.


Referências utilizadas:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092004000200002

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44462000000600006&script=sci_arttext

R. Psiquiatr. RS, 25'(suplemento 1): 65-74, abril 2003 - http://www.scielo.br/pdf/rprs/v25s1/a08v25s1